16 de set de 2010

Uso das Tecnologias no Currículo

 

A utilização de novos recursos tecnológicos, de hipótese alguma, poderá ser vista como uma forma negativa de melhorar a aprendizagem dos alunos, até por que já temos provas o bastante que tudo que é “lúdico” atrae e agrada; com isso, nós docentes temos sim que abraçar esta causa como uma mudança de paradigma nacional e mais ainda, precisamos ter cautela e engajamento na conduta para que possamos cada vez mais atrair novos adeptos para nosso time.
No que diz respeito as atividades curriculares tradicionais, não vejo o porque mudar o que está sendo feito, o que precisamos é adaptar a forma como são feitas estas tarefas, uma vez utilizando os computadores os alunos terão uma nova fonte de pesquisa para esclarecer as dúvidas que muitas vezes, nós professores achamos que elas deixaram de existir com nossos ensinamentos mas na realidade a dúvida de juntou à outras já armazenadas no cérebro do aluno. Enfim, as atividades curriculares ficaram enriquecidas om o apoio que o computador e a internet tem a oferecer.
Quando falamos em mudanças, acredito que haverá muitas, algumas positivas outras negativas mas devemos ter a consciência que o trabalho tem que ser feito, apresentado e a partir dos resultados alcançados é que conseguiremos quebrar as barreiras que ainda resistirem. Quando enxergamos o docente, como pessoa, meu ponto vista a mudança será radical, pois sairemos do marasmo de uma sala de aula, para uma sala de aula virtual, lúdica, atraente e participativa.
Ainda é cedo para darmos respostas concretas sobre resultados em aprendizagem, mas eu vejo resultados impressionantes à frente.
É claro que teremos alguns desafios extras, tais como, prender a atenção dos alunos no foco do tema proposto, uma vez que muitos deles, trarão curiosidades pessoais, cotidianas para dentro da sala e ai sim o docente terá que aplicar algumas regras de limites para não perder o objetivo do trabalho. Regras estas que poderão até se incluir penalidades quanto ao uso dos computadores, restrições à sites, assim por diante.
A criação de potencializações de nossas aulas, exigirá do docente conhecimento constante sobre tudo que acontece na rede. Até por que as mudanças na internet não acontecem de décadas em décadas e sim a todo momento. Por isso, teremos que ficar antenados e levar esses acontecimentos para debater juntos com os alunos e tomas suas opiniões a respeito. Através desta atitude, construiremos uma educação mais “madura”, e preparada qualquer discussão que no futuro este aluno se deparar.

Contribuições das Tecnologias



Em minha pouca experiência de sala de aula, nestes últimos 12 meses, foram realizados 3 projetos; 2 projetos aplicados na Zona Urbana e 1 projeto realizado na Zona Rural, no município que atuo; eu posso descrever este último projeto como uma experiência fascinante e merece uma reflexão. Foi uma atividade relativamente simples mas que surtiu um resultado positivo e enriquecedor para os alunos e para toda a escola.
O projeto teve como objetivo central a “Navegabilidade na internet e a criação de um videoclipe a ser postado em Blog da escola” ( http://emcapivara.blogspot.com ), também recém-criado na rede mundial de computadores.

O público-alvo foi os alunos do 5° ano do Ensino Fundamental, Zona Rural, crianças pertencentes a famílias de baixa renda, tendo a agricultura familiar como meio de subsistência, seus comportamentos em sala de aula são um tanto agitados, e, o grupo possui 14 integrantes (5 meninos e 9 meninas).
No decorrer de toda atividade foi possível notar momentos de alta atenção, momentos de dispersão, momentos com necessidade de desenvolver os trabalhos em grupos, outros momentos com o sentimento de competição (individualismo). No entanto, todos estavam cientes que o resultado só poderia ser alcançado se tivéssemos a participação do grupo.
Mesmo dividindo o grupo em 2 partes (A e B) não perdemos o foco e o grau de coesão grupal.
Por serem crianças de Zona Rural não possuidoras de conhecimentos detalhados das mídias tecnológicas existentes (computador + internet), a mente deles estavam sempre atentas as instruções passadas, porém, com o caminhar das aulas aos poucos foi nascendo a curiosidade em navegar em sites paralelos. Nos últimos 10 minutos de cada aula foi deixado que as mesmas pudessem explorar estas curiosidades, dentro de uma limitação rígida de contexto. A facilidade de compreender a utilização de teclas de atalho para a realização de nossas atividades foi impressionante. E, quanto a outra etapa do projeto que era o manuseio de uma câmera filmadora com o propósito da criação de um videoclipe, tendo como objetivo estimular o lado perceptivo da criança sobre as coisas ao seu redor; foi inacreditável os resultados. Uma vez que, podemos notar que algumas delas focavam as lentes nas imagens de interesse pessoal, outras na paisagem ao redor da escola, outras ainda o próprio comportamento dos colegas e até a idolatria aos trabalhos feitos pelos alunos de séries superiores à deles.
Enfim, a conclusão que posso tirar teste trabalho, que quanto maior o número de informações disponíveis em nosso meio, maior será o grau de interesse em particionar, explorar os detalhes destas informações. Sendo que, quanto menor o número destas informações, menor será o interesse em aprender, conhecer, podendo até chegar a nenhum interesse.