11 de out de 2013

ATIVIDADE FINAL - UFOP



Essa postagem foi realizada como requisito avaliativa final do curso Integração Mídias na Educação da UFOP 2013-2014 - Polo de João Monlevade.

E, com base em todas as leituras realizadas e com os depoimentos que os colegas apresentaram, é evidente que todos nós estamos em constante aprimoramento de nosso conhecimento. O saber, pode se apresentar em diversos cenários e situações, porém, numa análise mais profunda, notamos que independente do espaço e do tempo, sempre estaremos abertos para aprender, aprender, aprender...

E é nesse espírito motivador e multiplicador que temos por obrigação repassá-lo aos nossos alunos, proporcionando, naqueles 50 minutos ou mais, a sala de aula em um verdadeiro espaço de interação e troca de saberes. Nunca deixando de apresentar todas as possibilidades e limitações, que como seres humanos, somos vulneráveis.

Enfim, introduzir as mídias na Educação já é uma necessidade, o difícil é quebrarmos os paradigmas existentes. Mas tenho a certeza que tão breve, essa dificuldade não mais existirá.


José Ailton G. Adriano
Pólo João Monlevade
Pós Graduação: Mídias na Educação
UFOP - Universidade Federal de Ouro Preto.
Profª Adelma Araújo
Disciplina: Integração em Mídias na Educação
Tutoras: Priscila Santiago e Teles Bianchi

3 de abr de 2013

Educação de Qualidade......KD ???


Falarmos ou exigirmos uma Educação de Qualidade no Brasil não é tarefa tão difícil, o problema está em colocar em prática tudo que é dito.

É comum vermos nossos alunos sendo motivados à estudar fielmente até os 5 primeiros anos de sua vida escolar, tanto pelo Pais, quanto pelos Professores, até a Sociedade participa deste momento tão sublime. O pior é que daí em diante algo acontece; os Pais começam a perder a ponta da corda, os Professores já estão mais tão motivados quanto antes e o Sociedade? Essa então, essa só se preocupa com números estatísticos.

KD a Qualidade?

O sistema conta com o envolvimento de inúmeros profissionais, mas parece que tudo isso está sendo em vão. Estatisticamente falando, os índicadores que medem a evolução de nossos alunos vão caindo a cada ano que este "passa". Passar ou Avançar? Qual é o termo correto aplicado nas salas de aulas de hoje em dia? Será que os gestores estão realmente preocupados com a Educação? Será que a família perdeu o senso comum sobre o "educar"?

Enfim, Não basta somente motivar os profesores com presentinhos no final do ano, não basta motivar os professores com campanhas ou promoções insignificantes. Isso sem falar na desvalorização remunerada, essa então, fica difícil tentar encontrar uma explicação clara.

Ser Professor no Brasil é um ato de de muita coragem, é um ato de "DOAÇÃO", é servir o próximo sem nada esperar de volta...



... A NÃO SER O SORRISO DE UM ALUNO, NO ENTENDIMENTO DAQUELE CONTEÚDO ENSINADO!

4 de mar de 2013

FACEBOOK de cara NOVA


O Facebook muda a Timeline.

A rede social enviou no último dia: (01/03), um convite à imprensa convocando-a para uma coletiva em que irá anunciar o novo formato da página. As novidades serão anunciadas no dia 7 de março em uma das sedes da companhia. 

A empresa vem realizando testes de novos designs de linha de tempo, principalmente na Nova Zelândia. 

A versão atual foi lançada globalmente no dia 15 de dezembro de 2011 e, desde então, não foi reformada. De acordo com imagens divulgadas pelo site Mashable.com, agora há uma nova versão da página rodando no país. 

A alteração traz mudanças no cabeçalho superior e nos ícones.
A página de amigos, álbuns de fotos, informações do usuário e outras são exibidas em abas. A seção "Sobre", antes localizadas embaixo da foto do usuário, foi deslocada à esquerda e ganhou mais destaque.

Na parte inferior, as atualizações do usuário passam a ser exibidas em uma coluna única à direita. Os anos da Timeline aparecem mais discretos também à direita, na parte superior, dividindo espaço com o cabeçalho. Os ícones de notificações também mudaram e os álbuns de fotos ganharam um novo layout.

Veja as fotos da nova timeline: CLIQUE AQUI
Fonte: Olhar Digital

17 de jan de 2013

A tecnologia chegou à sala de aula



A tecnologia chegou à sala de aula



   A sala de aula já não é mais a mesma! Onde havia cadeiras e quadro negro, alunos e professor, hoje um novo integrante começa a ocupar um espaço considerável dentro e fora da sala de aula: a internet.

   Se tivermos o cuidado e a visão necessária para enxergar alguns anos a frente a situação ficará mais evidente ainda onde alunos equipados com modernos equipamentos ligados a internet estarão fazendo um passeio virtual pelas pirâmides egípcias enquanto o professor dá aula de história, ou consultando um verbete na Wikipédia com o significado de uma palavra estranha que o professor acabou de mencionar.

   Mas isto será bom ou ruim? Seria esse um pensamento muito futurista ou não?

Atualmente há uma desigualdade enorme no uso da tecnologia na educação, pois enquanto algumas escolas mais privilegiadas já investem bastante neste campo, outras, especialmente as públicas ainda sofre com problemas mais antigos e menos tecnológicos, como falta de professores, baixa remuneração, violência dentro e fora da escola, entre outras coisas bem conhecidas dos profissionais da educação.

   A grande pergunta que fica é se saberemos lidar com tudo isso e esta tendo sido o tema de muitos assuntos que venho escrevendo em uma série de artigos de educação em meu blog. Afinal, a tecnologia na educação é composta por vários fatores que vão muito além de hardware e software, isto é, para ser útil na educação, professores e escola como um todo precisa planejar e regular uso da tecnologia para o proveito no processo ensino aprendizagem, caso contrário, corre-se o risco de transformar a escola em uma grande lan-house.

   É verdade que é preciso ponderar as palavras e não generalizar, mas o impacto que a internet já causou e ainda causará na sociedade e consequentemente na educação não pode ser tomada com indiferença. Temos de considerar também que na tecnologia as coisas acontecem em uma velocidade muito acima que os avanços que a educação viu até hoje. Então, não se pode brincar com isso.

   Para concluir penso que há professores que estão ansiosos para transformar todo esse potencial da internet em uma ferramenta altamente eficaz no desenvolvimento do aluno, mas é possível que existam outros que prefiram que as coisas continuem como se a tecnologia não existisse. Esse é outro desafio, mas é assunto para outra hora.


Luis Ribeiro é professor na educação técnica e editor do blog: www.luis.blog.br



Os links citados no artigo devem apontar para os seguintes endereços:


hardware e software : http://www.luis.blog.br/dicas-de-hardware-e-software.aspx